• Página Inicial
  • Biografia
  • Posts RSS

No âmago de um sonho



Eu me importo sim, em vê-lo voar,
Sua magnitude prolífera aos prantos.
O contíguo vôo deste pássaro
Com suas asas longas e inértes,
Consigo a carregar os filhotes.
Não os pertence...

Alimenta-se, em morfismo demudado
Aos outros pássaros, nunca será.
Cruzando do horizonte, seu vertical,
Sobrevoando o verde da graça,
O profundo azul dos oceanos,
Mas não o pertence...

Amargo suspeito neste momento,
Em seu trajeto, ligando lugares,
Também seus filhotes, contente.
No mais intenso saber irracional,
Enquanto dormes, é esquecido.
Enquanto durmo, és lembrado,
Todo dia, n'um profundo sonho
De um pequeno aviador.

10 comentários:

Nanna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
grace disse...

Impressionante sua imaginação!
Um poema para se refletir!
Adorei, parabéns!

Flavinhaa disse...

Adorei cunhado!

Muito legal!


=P

Luciana Brites disse...

lindo e profundo primo....vc é um artista:o)

Kiko Lemos disse...

Gostei do texto, simples e agradável em ser lido além de muito bem escrito

Marcos Aquino disse...

Perfeito, adorei da forma que este texto foi escrito, e da forma como o tema sugerido foi colocado. ABS.
Vou seguir pra voltar.

André Poerschke Vieira disse...

você é ótimo, primeira vez que venho aqui e curti. Vou ficar lendo os outros textos. Parabéns.

Leonardo disse...

Seus textos são ótimos, a forma como o tema é tratado por você é espetacular. É uma escrita profunda, pra se refletir mesmo. :D

Raphael Barradas disse...

ainda bem que to com meu dicionário do lado xD

BLOG DO PROFEX disse...

Thiago, viajei com este passaro pelo cenário onírico inventado por você. Deixo um grande abraço, companheiro...

Postar um comentário