• Página Inicial
  • Biografia
  • Posts RSS

Ser translúcido


Como uma criança medrosa
Me escondo apressadamente
Debaixo de um velho lençol amarelo,
A luz que atravessa seus poros
Me conta as mais belas e falsas verdades.
O vento que balança, balança...
Balançou-me em direção à loucura
Que possuia um dom de libertar,
Produzir e explorar sua mente,
Sonhos e qualquer inconstante magnitude,
Podendo estar longe do explicável,
Próximo a um mundo alternativo
Em outro infinito, outro nível etéreo,
Outra dimensão suspirando o surreal.
A gravidade parece diminuir,
Os sons turvos e inaudíveis,
O controle dos movimentos esgotados.
Por trás do caminho de pedras,
No alto de uma antiga tribo indígena,
Entregando-me a novos rumos,
Índios vivos em semblantes espirituais
Vagavam apocatástico ao relento,
Dançando para as alcoviteiras
Despejarem os segredos perversos alheios
Ao pé do ouvido dos escolhidos.
Quem são eles? Quem sou eu?
O fogo e o ferro, o ouro que reluz,
Antecipando os acontecimentos sombrios,
Mergulho na memória perdida escrevendo nos dias,
Me afogo nas horas, minutos em distúrbio
Refletindo sobre o eu que nunca existiu,
Pelo movimento acima dos pinheiros,
Numa cama de seda despejada na varanda,
Nascimento do glóbulo noturno que me guarda
Surgiu entrelaçado ao silêncio,
Paz.

7 comentários:

Flavinhaa disse...

"Refletindo sobre o eu que nunca existiu"

fortee =x


gostei Thiago,
às vezes me sinto assim!

Isaac Dobbin "O bardo" disse...

Boa Thiago, "Quem sou eu?" É a pergunta que todos quer saber alguma vez na sua vida!

Willian disse...

ELE ESCREVEU NOS DIAS BROTHER RS.
por bananada ! :)

Keteriane disse...

Uma viajem...

Luiz Brisa disse...

acho que todos as vezes se sentem assim tambem,
gostei
seguindo

Karla Hack dos Santos disse...

Lembrou-me com aqueles instantes onde nos alcançar parece tão distante, mas está logo ali!
Quando tudo converge, ainda que em confusão, nasce a paz!

Belos versos!

;D

Rubi disse...

Nossa, esse finalzinho me lembrou tanto uma música de Chico Buarque (valsinha) que por sinal é uma das minhas preferidas, e mais, tão boa quanto sua poesia. Parabéns!

Postar um comentário